segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Estímulos da Dança

Por que dançamos?


Por instinto,vontade de se comunicar ou por prazer, as razões de dançar estão em um só lugar: o cérebro


Passo a passo: Qualquer dança exige movimentos não-perceptíveis em cada passagem


Dançar parece ser um ato tão natural como respirar. E de fato é. Estar em movimento é estar vivo, e usar o movimento para expressar emoções – afeto, temor, raiva, aprovação e recusa – sem outra organização que aquela imposta pela estrutura do corpo e sem orientação além do ritmo é uma das formas mais primitivas de comunicação. Com o tempo, serviu para atrair espíritos benéficos, exorcizar maldições, potencializar a energia dos astros e a fertilidade da terra.
A mais antiga imagem da dança, datada de 8300 a.C., foi encontrada em pinturas de uma caverna na província de Lérida, na Espanha. Mostra nove mulheres em torno de um homem despido, indicando ritual de fertilidade. No livro World History of Dance, de Curt Sachs, o autor analisa esse desenho como registro de uma dança primitiva que já prenunciava a mítica encenação do deus Apolo cercado pelas nove musas, segundo as representações dos antigos gregos. Logo, a dança começou a ser associada com magia, ritual, cerimônia, celebração popular e, afinal, com simples diversão. Tornou-se um código sofisticado. Cercou-se de orquestra, cenários, iluminação e trajes de gala. Os movimentos ganharam o rigor e a disciplina de um balé clássico. Foram contestados por aqueles que defendem o instinto e a naturalidade como orientadores das respostas aos estímulos rítmicos e musicais. Conta-se que, quando perguntaram a Isadora Duncan (1878–1927), uma das mais célebres bailarinas do mundo, em que época começou a dançar, ela teria respondido: "No ventre de minha mãe". Numa pista de dança, num ritual do candomblé ou numa apresentação de orquestra sinfônica, às vezes parece impossível ficar parado. Mas o que nos faz dançar? Mais do que nas pernas, a resposta a essa pergunta está em nossa cabeça.
Ao longe, a bateria da escola de samba ensaia. O som da batucada ecoa na sala do apartamento no 20º andar do edifício. O morador, sentado em sua poltrona, bate o pé no chão ao ritmo do batuque, enquanto as mãos acompanham involuntariamente, com movimentos discretos, a melodia entoada pelo puxador do samba. Sem perceber, o morador está dançando.
É sempre assim: toda vez que uma música ou um ritmo são percebidos pelo cérebro, o corpo começa automaticamente a se mexer. A não ser que a mente ordene, não há quem consiga ficar totalmente parado em uma pista de dança na qual se toca música eletrônica a todo volume ou mesmo ao assistir à apresentação de uma orquestra sinfônica. A explicação para essa compulsão ao movimento está no cérebro, mais especificamente na sua parte central, onde se localizam o tálamo e o hipotálamo, e também no lobo parietal (região lateral do córtex), que reage à música e ao ritmo modulando o caminho dos estímulos (impulsos elétricos) do som. Essa alteração se reflete com maior intensidade nas áreas responsáveis pelos chamados movimentos de atenção involuntária, ou seja, que independem do controle do córtex. Essas áreas, diretamente relacionadas à memória e à expressão das emoções, estão localizadas no chamado sistema límbico, que envolve a parte mais central do cérebro.


Vem dançar no VIVACLUB e se delicie com os benefícios dessa atividade maravilhosa. Confira os horários:

Ritmos: Terças e quintas às 9h e às 15h com o Professor Binho Rodrigues

Dança Cigana: Quartas às 10h com Professora Neuzinha Quinteiro 

Estamos te esperando!!!

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

terça-feira, 3 de setembro de 2019

VIVACLUB DE PORTAS ABERTAS


No dia 28/09 terá a segunda edição do VIVACLUB de Portas Abertas, uma manhã para conhecer nossas atividades e profissionais.

Pilates, Alongamento, Dança Cigana, Ritmos, Treinamento Funcional, Fisioterapia e Nutrição com foco no adulto maduro e idosos!

Venha para o VIVACLUB conhecer nossas atividades gratuitamente! 

Vem pra cá fazer parte da nossa família!!

DANÇA CIGANA NO VIVACLUB TEM NOVO HORÁRIO



Atenção para o novo horário da Dança Cigana, à partir desta quarta: das 10h às 11h com a Professora Neuzinha Quinteiro!
Esperamos vocês para bailar!

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

NUTRICIONISTA NO VIVACLUB


Agora o VIVACLUB Maturidade & Lazer tem uma profissional de Nutrição à sua disposição!

Ligue e agende uma avaliação com a Priscila Oliveira e tire todas as suas dúvidas sobre alimentação.

Veja abaixo, a importância da nutrição na Terceira Idade:


1) Os alimentos são importantes no tratamento e prevenção de doenças?

Os primeiros registros de associação de alimentação à saúde datam de cerca de 2500 anos atrás. "Que o teu alimento seja o teu remédio e que teu remédio seja o teu alimento" pregava o filósofo Hipócrates, pai da Medicina e pioneiro na utilização de alimentos no tratamento e prevenção de doenças. Com o passar dos anos, nosso organismo passa por diversas transformações. Para continuar com saúde e disposição, prevenindo e tratando as doenças já instaladas, a alimentação é um ponto fundamental.

2)A alimentação do idoso deve ser diferenciada?

Sob o ponto de vista fisiológico, o idoso tem uma redução de diversas propriedades do organismo. Além de alterações na dentição, que dificultam a mastigação; e de locomoção, um obstáculo para a busca de alimento; as funções digestiva, absortiva, gástrica e intestinal estão reduzidas.No Brasil, lembra o especialista, é também freqüente a interferência da questão financeira. Com os baixos valores das aposentadorias, há a dificuldade de aquisição de maior variedade alimentar, o que reduz as chances do indivíduo ter acesso a todos os nutrientes necessários.

3) O que deve ser observado na alimentação do idoso?

Em qualquer faixa etária, é importante a atenção à variedade na hora das refeições. O prato típico nacional, composto de arroz, feijão, carne, salada e vegetais, é um bom começo. Na terceira idade, a receita não é diferente. Os idosos devem ter cuidado para não restringir a alimentação a carboidratos, como pães e massas; e às formas líquida ou pastosa, como as sopas. Embora mais fáceis de ingerir e preparar, devem estar sempre acompanhadas de frutas, verduras, salada e proteína.

As proteínas são encontradas especialmente nas carnes. Se houver dificuldade de mastigação, o leite, ainda que o de soja em caso de intolerância à lactose; bem como peixes ou ovo, são ótimas fontes. No caso dos legumes, para facilitar devem estar bem cozidos e macios. Quanto às frutas e vegetais, podem ser ingeridos sob a forma de sucos.

4) A orientação profissional é importante nesta fase da vida?

Assim como os medicamentos, suplementos vitamínicos e alimentação devem ser consumidos a partir de orientação de profissionais especializados. Isso porque a existência de doenças crônicas é um fator relevante a ser considerado. A vitamina A, por exemplo, é hepatotóxica. Sua suplementação não deve ser indicada para portadores de insuficiência hepática. Diabéticos, hipertensos e portadores de insuficiência renal ou cardíaca são outros exemplos que devem receber atenção especial neste aspecto. O mesmo vale para os preparados de líquidos de fórmulas nutricionais especiais para idosos, disponíveis em casas especializadas. Ainda que voltados às carências típicas desse público, seu consumo tem seguir indicação profissional.

5) Que sinais de alerta devemos observar?

Familiares e cuidadores devem estar sempre atentos aos hábitos alimentares dos idosos, verificando quantidades e variedades ingeridas a cada refeição, bem como sua freqüência. Em caso de visível perda ou ganho de peso repentinos, é necessária avaliação médica para investigação das causas. Muito mais que um sinal de alimentação inadequada, tais sintomas podem advir de doenças graves. A depressão é outro problema freqüentemente refletido na alimentação. A perda do cônjuge ou de pessoa próxima é um dos principais fatores desencadeantes. Tendência ao isolamento e perda de apetite são alguns dos sintomas.


Autor Dr. Dan L. Waitzberg diretor do GANEP - Grupo de Nutrição Humana e professor associado da faculdade de medicina da Universidade de São Paulo, Departamento de Gastroenterologia





AGENDA DE SETEMBRO

Agenda antecipada de Setembro para destacar algumas alterações no nosso quadro de horários:

- RITMOS da tarde volta para às 15h, nas terças e quintas;
- DANÇA CIGANA passa para às 10h, todas as quartas; 
- ALONGAMENTO somente segunda e sexta 10h e 16h.
- QUARTAS às 9h avaliações sob agendamento com o Prof. Rafa Soares.

Qualquer dúvida, fala com a gente

terça-feira, 7 de maio de 2019

DANÇA CIGANA PARA TERCEIRA IDADE


Quarta é dia de Dança Cigana no VIVACLUB, por isso trouxemos um resumo sobre os estilos da Dança Cigana, escrito por Roger de Souza.

Não tem como escrever sobre o povo cigano e suas danças sem se aprofundar ainda mais nessa cultura tão mágica e inspiradora. Vamos lá então acompanhar um pouco mais da história dos ciganos através de suas danças e costumes que foram talhadas no tempo, povos e lugares por onde andaram. Haja visto serem um povo nômade historicamente falando.

Dança do Leque

Dança do elemento ar que representa o amor, a sensualidade e a limpeza, representa sedução, romantismo e poder. O leque passeia há séculos nas mãos das mulheres, mas seu uso prático pouco tem a ver com os aspectos valorizados pela cigana ao dançar. Da maneira que se abre pode representar as fases da lua e da mulher, seus reais desejos ou apenas o que quiser demonstrar; é um poderoso instrumento de limpeza energética, magia para a cura e sedução. Sendo assim, está constantemente nas mãos espertas de uma cigana, atraindo a atenção para seu mistério e poder. O leque é mais característico nas danças “kalóns”, mas pelo seu encanto as mulheres que gostam, usam-no sempre que podem na sua dança.

Dança da Rosa

Elemento terra. Representa o amor, a beleza, a conquista, sedução e a sensualidade. A rosa é a beleza interior e a beleza exterior. A rosa vermelha na boca que os ciganos costumam levar em suas danças – presa entre os dentes – levam para presentear a mulher que está envolvida na dança. As alianças para os ciganos são simbolizadas por duas rosas vermelhas, em seus casamentos.

Dança das Fitas Coloridas

Elemento água representa as lágrimas de alegria e tristeza derrubadas pelo povo Cigano. Não o lamento, mas também a comemoração. Representa a limpeza, alegria e infantilidade. Dançar com fitas é quase uma brincadeira de criança, alegra qualquer tipo de ambiente, festeja os nascimentos e casamentos, os movimentos das fitas rodopiantes manifestam o ritmo da vida e a alegria de fazer parte dela. As fitas são mais utilizadas nos ritmos “rons”, porém conforme o que se quer passar a dança se adéqua a qualquer ritmo alegre.



Dança do Véu

Representa o elemento ar e expressa a leveza do corpo e a sensualidade.

Dança das Tochas


Mostra a fúria e o poder do fogo através das tochas acesas que reverenciam este elemento. Representa a purificação e a limpeza pelo fogo. Neste caso específico, pode também ser utilizado um candelabro pela dançarina.



Dança do Pandeiro

Dança dos quatro elementos, denota a alegria e sugere uma festa. Serve também para purificar o ambiente. O pandeiro traz a alegria do sol, saudando-o com inúmeras fitas coloridas, representando seus raios protetores e vivos. Como todo instrumento que faz barulho, ele tem como função expulsar os maus espíritos ou energias negativas, abrindo caminho para o povo festejar. Sua mensagem é mover, transformar o que está parado em ritmo, revigorar o nosso corpo com a alegria e o calor da dança, assim como o sol faz conosco. O uso das fitas, pode ter nascido como um calendário para marcar eventos importantes e a idade; para saudar a chegada da primavera; para representar através das cores das fitas pedidos ou bênçãos. É mais utilizado nas danças do grupo Rom, acompanhando violinos e outras percussões, é preciso habilidade e conhecimento dos ritmos utilizados.

Dança dos Sete Véus


Para os ciganos essa dança representa uma despedida de solteiro. E os véus coloridos representam as sete cores do arco-íris, simbolizando o amor e a sensualidade. As cores dos véus representam os quatro elementos.


Dança do Punhal


Elementos ar e terra. Significa lutas, disputas, fúria e pode simbolizar a limpeza do ambiente e do corpo. Representa o corte, a força e a limpeza.

Dança dos Quatro Elementos

Feita com representações dos quatro elementos como: Vela, incenso, jarro d’água e sal. Significa magia e limpeza do ambiente. Normalmente é dançada contando com 04 dançarinas. As vestes lembram os nômades do deserto.

Dança da Espada

Elemento ar e terra. Representa luta, guerreira, batalhadora. Usa-se movimentos semelhantes aos movimentos do punhal. 

Dança com Echarpe ou Lenço

Representa união, casamento e amor. O lenço também é utilizado para a prova da virgindade. O lenço é encantador seguro delicadamente nos dedos da cigana, envolvendo-a de mistério e aos poucos revelando sua beleza e poder. Ao dançar com o lenço, seus desejos, sentimentos e sonhos são movidos pelo deslizar do lenço pelo ar, no transe da música, livre como o vento e infinito como o céu. O lenço também transforma e limpa o ambiente, pode representar pedidos ou coisas da vida que queremos mudar ao dançar. É uma das danças ciganas femininas mais belas, por isso pode ser encontrada de várias formas nas danças de todos os grupos ciganos. Também neste caso podem ser utilizados lenços decorados com moedas douradas ou fitilhos, dando um ar de prosperidade aos movimentos executados.

Dança do Xale

Representa o mistério e a magia do elemento fogo. Dançar com o xale representa agradecer todas as dádivas ao criador, a sua força, o poder de ser mãe, o poder de seduzir o seu amor e também proteção e família. É usar toda poesia, força e magia. Nunca deixe outra pessoa pegar o xale, não derrubar, pois ele é a sua essência feminina. Enfim, dançar com o xale é agradecer, exibir e proteger suas estrelas

Vem dançar com a gente, você vai descobrir uma deusa em você, que encanta e alegra!

A Dança Cigana pode ser praticada em todas as idades, nossa Professora Neuzinha Quinteiro é especialista em Terceira Idade.