quarta-feira, 10 de outubro de 2012

7 Maneiras de melhorar o convívio com o portador de Alzheimer


Somente quem convive com o paciente de Alzheimer sabe o quanto é importante o contato e o carinho dos familiares. Não apenas na relação de cuidado, mas também no manejo da doença junto ao médico e outros profissionais de saúde fazem toda a diferença. “É estabelecida uma relação de confiança entre médico, paciente e cuidador”, afirma o psicogeriatra Cássio Bottini, coordenador do programa de terceira idade do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Mesmo em famílias com muitas pessoas, em geral alguém é eleito para cuidar do paciente e aprender como lidar com os desafios que surgem a cada dia. 

As dicas foram elaboradas pelo site Minha Vida e estão logo abaixo:


Elabore uma agenda semanal

Manter uma rotina bem estruturada garante o número de horas de sono adequado, evita erros com a medicação e ainda reserva um tempo para outras atividades. Cássio Bottini recomenda que seja estipulada a rotina para toda a semana. “Uma agenda bem feita não preenche o tempo todo do idoso, mas garante que seja reservado um espaço para atividades que vão melhorar a qualidade de vida dele”. Além disso, a rotina bem organizada ajuda o paciente a se localizar – perda de referências de tempo e espaço é um dos problemas característicos do Alzheimer. “Muitos não reconhecem a própria casa e nem os parentes e acreditam que fatos acontecidos há muito tempo são recentes”.

Incentive a independência

“O recomendado é estimular o paciente a fazer as atividades do dia a dia com supervisão e oferecer ajuda somente nos casos de dificuldade, sempre com o objetivo de evitar riscos’, recomenda o psicogeriatra Cássio. Já atividades potencialmente perigosas, como cozinhar, dirigir e até mesmo fazer operações bancárias, devem ser evitadas.

Fique atento às reações

“Não existe nenhuma restrição à exposição do portador de Alzheimer a pessoas de fora do ambiente familiar”, afirma Cássio Bottini. “Mas é importante que o familiar fique atento às reações do idoso, já que muitas vezes ele pode se sentir ansioso na presença de estranhos e acabar ficando inseguro”. Mas não deixe estimular o contato com outras pessoas, isso é muito importante para a qualidade de vida do portador da doença.

Aprenda a lidar

Muitas vezes acaba sendo estressante lidar com quem tem Alzheimer. As informações têm que ser repetidas várias vezes, a compreensão é difícil, os gestos são mais lentos: é preciso muita paciência. Mas, segundo Cássio Bottini, mais que calma, é preciso aprender a lidar com essas características da doença. “Além de entender as limitações, é muito importante manejar os problemas sem deixar de estimular o idoso”, conta. “Aceitar a limitação é um erro grave, sufoca um contato de qualidade”.

Organize um ambiente seguro

É importante que a família e o cuidador façam adaptações na casa para que ela se torne um ambiente seguro para o portador de Alzheimer. Existem diversas dicas de como ajustar o lar ao idoso com esse tipo de demência. A psicóloga Fernanda Gouveia Paulino, presidente nacional da Associação Brasileira de Alzheiemr (ABRAZ) dá algumas delas: “Retire tapetes (que podem causar quedas), coloque proteção nas janelas, corrimão de apoio no box e próximo ao vaso sanitário, além de piso antiderrapante no chão, é importante sempre supervisionar o idoso na hora do banho”. É importante também manter o fogão longe do acesso do idoso.

Faça perguntas simples

Muitas vezes fica difícil manter um diálogo com o portador de Alzheimer em função da confusão mental quase sempre presente. Mas a conversa não é impossível, basta um pouco de calma e uma fala bem ordenada para melhorar o bate-papo. Cássio Bottini explica que a informação precisa ser transmitida de maneira simples, tocando em um assunto por vez. Falar de dois temas ao mesmo tempo aumenta as chances de desentendimento, o idoso acaba misturando os assuntos. “Também é importante fazer frases curtas e manter o contato visual o tempo todo para aumentar a atenção do paciente e vale falar de assuntos mais simples, nada muito complexo”, recomenda.

Estimule o exercício físico

Fernanda Gouveia explica que o tratamento do paciente com Alzheimer é feito com remédios e estimulações. Além de todo estímulo cognitivo, o exercício físico é uma excelente forma de estimular o portador de Alzheimer. Mas a profissional adverte: “Ele deve sempre ser feito com recomendação médica e acompanhado por um fisioterapeuta, nunca sozinho”. Quem foi sedentário a vida toda, encontrará ainda mais dificuldade para fazer atividades físicas se for afetado pela doença.

Na publicação do conteúdo do blog, nós estamos sempre pensando em vocês. Em trazer informação de qualidade e dicas para uma vida com mais qualidade.

Se tiver alguma dica de assunto envie um e-mail para nós: vivaclube@gmail.com

Bom dia a todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário