segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

PARA A INVERSÃO DE PAPÉIS NINGUÉM ESTÁ PREPARADO

Quando você está em casa e sua mãe liga dizendo preocupada: “Acabei de cair!”, você se depara com uma nova situação. Algo novo e inusitado. Você se apavora e pergunta se está tudo bem, depois, sente um pouco de raiva pela bocabertice dela. Acha que não está certo ela não ter olhado para o chão ou ter feito tudo ao mesmo tempo sem prestar atenção num simples caminhar. Mas a verdade é que você não percebeu ainda, e se deparou pela primeira vez com uma situação inevitável da vida, a inversão de papéis.


A natureza é sábia. Ela é um ciclo. Você é cuidado e depois você cuida. Não são todas as pessoas que passarão por esse ciclo, claro, mas ainda assim é possível dizer que é uma Lei da Vida. Enquanto isso, existe o envelhecimento, então em nossa vida adulta lidamos com duas situações: o início da nossa família e o envelhecimento de nossa então família, nossos pais. Mas estamos preparados para essa regra natural da existência humana?

Nós não estamos preparados para isso. E ninguém nos prepara, por mais que vejamos todos os dias, por mais que compartilhemos momentos com nossos pais e identifiquemos os cabelos brancos nascendo, a coluna encurvando e as dores aumentando. Se deparar com isso pela primeira vez gera muito medo, em nós filhos, gera muito nervosismo para lidar com a situação e, muitas vezes, gera raiva por vê-los impotentes.

Não é que estejamos com raiva de nossos pais, mas estamos com raiva de Deus, raiva do Universo por ter essa regra de vir e ir da Terra. E, por isso, muitas vezes, ao invés de amparar nossos pais, brigamos com eles. Tá errado? Tá. Mas é fácil mudar e amparar? Não. É preciso muita reflexão e diálogo com nossos pais para entendermos em que situação de vida eles estão e como podemos ajudar. Acompanhar em consultas médicas, acompanhar em exames de rotina, buscar locais onde eles possam compartilhar experiências e receber apoio e amparo. Essas são somente algumas das novas atividades que poderemos compartilhar com eles.

Como filhos, precisamos estar atentos a essas mudanças e a essa inversão de papéis. Às vezes é quase imperceptível o momento em que deixamos de ser cuidados e passamos a cuidar. Outras vezes, nossos pais não aceitam que precisam de ajuda e aí vem a pergunta que nos martela: quando forçar uma ajuda que eles não querem ou não aceitam? Como começar esse diálogo com eles? Essas são perguntas para serem respondidas por profissionais da área, por geriatras, por psicólogos, por pessoas que possam acompanhar e compartilhar nossa realidade com a gente antes de dar respostas prontas.

O mais importante é não deixar passar desapercebido a necessidade que eles têm de estarem mais próximos da gente e de nosso amparo. É entender que são fraquezas e não bocabertices. É se preparar para acalmar e cuidar ao invés de brigar ou xingar. Sempre o entendimento, diálogo, carinho e amor serão os melhores remédios e companheiros para as pessoas que querem construir bons e sadios relacionamentos.


Autora: Jorgete Rain

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

MEDOS: OS MEUS, OS TEUS, OS NOSSOS

Eu tenho medo. Eu tenho medo de andar de avião, tenho medo de barata voadora, tenho medo de montanha russa, tenho medo de lagartixa no teto, tenho medo de um monte de coisa. Mas não tenho medo de uma coisa importante na vida: MUDAR.
Tem gente que nasce e morre com os seus medos e nem chega perto de tentar mudar eles, não briga com o seu “eu interior” e busca uma solução para suas malesas. Tem quem admita o medo, mas não consiga lutar contra ele, então acaba aceitando e desistindo, convivendo com seu medo e chamando-o de melhor amigo. Mas existem medos diferentes, não sei se por classificação ou por tipo, o que importa é que identifico que alguns medos deixam as pessoas impotentes. São coisas diferentes você ficar paralisado na frente do marco da porta acreditando que a lagartixa vai cair e você ficar atônito na vida vendo os anos passarem sem sair do lugar com medo de dar um passo rumo ao desconhecido.

Ta aí um medo que eu não tenho mesmo, o medo de mudar! Para mim mudar é viver. É sentir-se vivo. Mudar de cidade, de endereço, de ideias, de crenças, de opinião (sim, porque não?), de estilo de roupa, a cor de cabelo, a meta para o ano. Mudar, mudar, mudar... Se fala tanto em mudar, tudo é tão volátil e mutável atualmente, o modelo do aparelho celular, o aplicativo que faz sucesso que fica difícil identificar o que são mudanças pequenas e o que são grandes evoluções.

Grandes evoluções requerem quebras de paradigmas, dogmas, crenças. Exigem uma brusca parada para reflexões internas. Essas são as mudanças que farão diferença na nossa vida e nos levarão para novos caminhos e novas experiências. São mudanças, nem sempre positivas, claro, que dependerão das suas escolhas, mas elas têm um gostinho de “passar de fase no videogame”, sabe?

Em contrapartida, existem os medos que nos prendem e estagnam, nos mantendo em uma mesma “fase do videogame”, medos que não são bobos como o de não passar pelo marco da porta com medo que a lagartixa caia em cima da sua cabeça. Mas um medo de não conseguir lidar com alguma situação, um medo de não querer viver algo novo, por exemplo: medo de trocar de emprego, medo de aceitar que escolheu a profissão errada, medo de se prender a alguém, medo de ser pai, medo de ser largado e ficar sozinho. São tantos os medos que nos paralisam!

Esse medo que paralisa é o medo ruim. É o tipo de medo que faz com que você não possa seguir em frente e aprender mais, viver mais, fazer novas escolhas e se desprender de antigos rótulos para vestir novos. Você não precisa ser advogado a vida toda por ter se formado em Direito aos 21 anos. Você não precisa ser filho a vida toda porque não sabe trocar fralda e não sabe como se sentirá ao ser chamado de pai pela primeira vez. Você não precisa aceitar um relacionamento chato por medo da solidão ou do desconhecido.

Não. Eu não tenho a solução mágica para tirar os medos das pessoas, libertá-las das suas crenças e, como que por passe de mágica ou varinha de condão, liberar tudo de livre, desapegado e leve que existe nos outros. Mas eu já aprendi que me libertar dos meus medos fez eu me sentir mais livre, desapegada e leve.

Eu ainda prefiro toda noite olhar para o marco da porta e procurar pela lagartixa antes de passar, que me arrepender por não ter trocado de profissão, de namorado, deixado de gerar uma vida, de adotar e salvar um cachorro.


Autora: Jorgete Rain

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

BENEFÍCIOS DA DANÇA

Muitas pessoas procuram a dança para se divertir e descontrair, mas ela tem muitos mais benefícios. 

Veja na imagem abaixo:


No VIVACLUB tem dança terças, quartas e quintas. 



VENHA DANÇAR VOCÊ TAMBÉM!!!